Buscar

Cirurgia de TPLO: Osteotomia de Nivelamento do Platô Tibial

Atualizado: 20 de fev.

Confira nosso artigo completo sobre ruptura do ligamento cruzado cranial em cães clicando aqui.


A ruptura do ligamento cruzado cranial


Entre as lesões mais comuns do membro pélvico do cão, está a ruptura do ligamento cruzado cranial, atualmente mais conhecida como insuficiência do ligamento cruzado cranial.


Quando o ligamento está nessas condições, o cão claudica (manca), uma vez que a articulação torna-se instável e a tíbia desliza cranialmente em relação fêmur e realiza uma rotação interna excessiva.


Muitos cães com ruptura de ligamento apresentam impotência funcional do membro, pisam em "pinça" ou "andam em ovos".


Como diagnosticar


O diagnóstico da ruptura de ligamento cruzado cranial pode ser realizado pelo teste de gaveta cranial (clique aqui e confira nosso artigo sobre o tema) ou pelo teste de compressão tibial. Em alguns casos, também é possível obter o diagnóstico radiográfico, no qual a tíbia apresenta deslocamento excessivo em relação ao fêmur.


Nesses casos, a estabilização cirúrgica da articulação do joelho é necessária para retornar o membro à função, reduzindo assim a dor, desconforto e reduzindo a evolução do processo degenerativo da articulação.


A técnica de TPLO


Existem inúmeras técnicas para a estabilização da articulação, entretanto, hoje falaremos sobre um pouco sobre a TPLO.


De uma forma simplificada, a TPLO muda o ângulo da tíbia em relação ao fêmur. O objetivo da cirurgia é reduzir o deslocamento da tíbia cranialmente durante o andar do cão.


Para a cirurgia de TPLO, é feito um cálculo prévio do ângulo do platô tibial através da avaliação radiográfica em um posicionamento adequado.


Após a osteotomia (corte semicircular do osso), giro e fixação da placa na nova posição, esse permanecerá em uma nova angulação, que deverá ser em torno de 5 graus.


Confira no vídeo abaixo uma cirurgia animada de TPLO.


O realinhamento das superfícies ósseas ajuda a fornecer estabilidade durante o andar do cão, reduzindo assim a inflamação articular e um processo precoce de artrose, que ocorrerá cedo sem nenhum tipo de cirurgia.


Complicações


Entre as possíveis complicações da TPLO, estão: infecção, fraturas por avulsão da tuberosidade da tíbia, falha do implante e não união óssea. Embora essas complicações sejam possíveis e descritas, as taxas de complicação são baixas.


Recuperação e pós-operatório


Depois da cirurgia, o controle de dor (analgesia) e a administração dos medicamentos é fundamental para uma boa recuperação, assim como o repouso (restrição de espaço e de exercícios físicos) por parte do tutor. A fisioterapia no período pós-operatório permite ao cão uma recuperação mais rápida.


Radiografias serão realizadas para avaliar a cicatrização/consolidação óssea na nova posição durante o período pós-operatório. Após o procedimento, os cães tendem a ter um retorno precoce da função do membro.


Cerca de 24 horas após a cirurgia, metade dos pacientes começa a apoiar o membro que antes não utilizava. Além disso, após 6 meses de cirurgia, a maioria dos cães consegue retornar a atividade física normal.


Referências bibliográficas


Lee, Jae & Kim, Joong-Hyun & Lee, Won-Guk & Han, Tae & Cho, Kirae & Han, Hyun-Jung & Kang, Seong & Kim, Gonhyung & Choi, Sang-Hoon. (2007). Scintigraphic evaluation of TPLO and CTWO in canine osteoarthritis. In vivo (Athens, Greece). 21. 855-9.


Palmer, Ross. (2005). Understanding tibial plateau leveling osteotomies in dogs. Veterinary Medicine -Bonner Springs then Edwardsville-. 100. 426-+.


Sobre o autor

Felipe Garofallo é médico veterinário (CRMV/SP 39.972) e atua na área de ortopedia e cirurgia de cães e gatos em São Paulo e cidades da região. Realiza consultas em domicílio para tutores e serviço terceirizado para clínicas e hospitais veterinários. Você pode agendar uma consulta pelo whatsapp (11)91152-4321.

1.330 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo