Buscar

Osteossarcoma em cães

Atualizado: 12 de ago.

Câncer ósseo em cães, OSA canino


Definição


O osteossarcoma é um tumor maligno mesenquimatoso produtor de matriz óssea, sendo o tumor ósseo mais comum encontrado em cães.


Estima-se que seja responsável por cerca de 85% dos tumores no esqueleto dos cães.


Afeta principalmente os membros (esqueleto apendicular), mas também pode se desenvolver no crânio, coluna e costelas (esqueleto axial).


Em gatos, esse tumor é menos comum, e menos agressivo quando comparado aos cães.


O tumor ocorre com mais frequência nos membros torácicos, comumente afetando a parte distal do rádio (articulação do punho) ou a parte proximal do úmero. O osteossarcoma também pode ocorrer no fêmur e na tíbia do membro pélvico.


Esse tipo de câncer ósseo pode ocorrer em qualquer idade e em qualquer raça, mas geralmente se desenvolve em raças grandes e gigantes, em cães idosos.


Como suspeitar


É comum que cães com osteossarcoma apresentem dor na região acometida, além de inchaço firme no membro, devido a mineralização de tecidos moles.


Em alguns casos, o tutor nota apenas que o seu cão desenvolveu uma claudicação que é persistente, e não se resolve com repouso, e muitas vezes, nem com analgésicos. Às vezes, por causa das mudanças que o câncer causa na arquitetura óssea, ele enfraquece o osso e, eventualmente, fratura, o que é conhecido como fratura patológica.


Ao ocorrer no esqueleto axial, cães com osteossarcoma na mandíbula podem manifestar alterações como halitose, presença de sangue na comida ou na tigela de água e uma massa visível próxima ao dos dentes ou gengivas. Se o animal de estimação tem osteossarcoma em dos ossos do crânio, o tumor pode causar alterações na aparência e simetria facial, ou crescer na cavidade cerebral, possivelmente causando convulsões.

O osteossarcoma espinal pode comprimir a medula ou os nervos e pode fazer com que o cão tenha dificuldade para andar, seja ela parcial ou até mesmo completa. Ao acometer as costelas, o osteossarcoma pode parecer um inchaço firme e fixo sob a pele da caixa torácica, geralmente cerca de 2/3 abaixo do comprimento da costela.


Etiologia (causa)


Não há uma causa definitiva para a doença, mas acredita-se que esteja relacionada aos genes que promovem e suprimem o crescimento de células tumorais. É visto em algumas raças mais do que em outras, por exemplo Greyhounds, Dogue Alemão, Mastiffs, Irish Wolfhounds, Dobermanns, Rottweilers, Labrador Retriever e Golden Retriever.


Diagnóstico


O diagnóstico visa não apenas investigar o tumor primário, mas também determinar a extensão do câncer dentro do corpo (estadiamento) no momento da apresentação.


Frequentemente, a coleta de sangue para um hemograma, perfil bioquímico e uma análise de urina serão aconselhados, pois podem ajudar a avaliar a saúde geral e fornecer informações que potencialmente influenciam as recomendações de tratamento.


As radiografias do membro afetado permitem direcionar a suspeita clínica, além de descartar quaisquer outros problemas, por exemplo, fraturas e doenças articulares, e permitem determinar a extensão da lesão óssea nas articulações próximas. No exame radiográfico de cães com osteossarcoma, observa-se lise e/ou proliferação óssea, entretanto a radiografia não fornece diagnóstico definitivo.


O raio-X também pode ser usado ​​para determinar a extensão da disseminação do tumor para outras partes do corpo, especificamente o tórax e os pulmões, que é o local mais comum de disseminação do osteossarcoma.


O osteossarcoma é um tumor localmente invasivo e um tumor com alta probabilidade de disseminação (metástase) para outros órgãos, mais comumente o pulmão, embora a metástase para outros órgãos seja possível. A maioria (aproximadamente 90-95%) dos cães com osteossarcoma é considerada como tendo metástases no momento do diagnóstico, embora a metástase só seja evidente no momento do diagnóstico em aproximadamente 10% dos cães e os tumores metastáticos são considerados como sendo microscópicos.


A tomografia computadorizada (TC) é uma técnica de imagem muito mais avançada em comparação com os raio X, capaz de detectar mudanças muito mais sutis no osso (lise óssea precoce) e no pulmão. A TC também pode ser usada para reconstruir o tumor ósseo em 3D para ajudar seu veterinário oncologista a tomar decisões sobre se é ou não possível ou não preservar o membro.


O diagnóstico definitivo é feito por biópsia e exame histopatológico. Sob sedação, uma agulha fina pode ser empurrada através de uma pequena incisão, para coletar algumas células que podem ser examinadas ao microscópio para confirmar o diagnóstico de câncer.


Às vezes, o material obtido dessa forma é insuficiente, e sob anestesia geral e procedimento cirúrgico, é necessário retirar amostras maiores de tecido ósseo, que serão examinados ao microscópio para confirmar a malignidade.


Tratamento


Não existe uma "melhor" maneira de tratar o câncer ósseo. Cada caminho que escolhemos depende de discussões com o tutor e sua família, ou seja, as pessoas que melhor conhecem o paciente. Em algum lugar abaixo estará a opção certa, ou poderá ser uma combinação de várias opções.


É importante perceber que, como citado anteriormente, no momento em que diagnosticamos o osteossarcoma, as células cancerosas quase certamente já deixaram a massa primária e se moveram para outro lugar no corpo (metástase). Essas células, em grupos ou individualmente, são muito pequenas para serem encontradas antes da cirurgia, mesmo com as tomografias de mais alta definição. Muitas vezes permanecem dormentes por muitos meses ou anos, e usamos quimioterapia para tentar retardar a progressão dessas células metastáticas em tumores secundários detectáveis.


Além de direcionar as células que se espalharam, as seguintes opções abordam o tumor ósseo primário e, mais especificamente, a dor óssea associada;


1) Medicamentos para controle de dor: Existem várias combinações de medicamentos que podem ser prescritos; tudo pode ser administrado pelo tutor em casa. Esses analgésicos atuam de maneiras diferentes no corpo para combater a dor e a inflamação de maneiras diferentes.


2) Bisfosfonatos: Esses são medicamentos que endurecem os ossos originalmente eram usados ​​na medicina humana para fortalecer os ossos mais fracos da menopausa, mas seu uso evoluiu para tratar dores ósseas, especificamente dores oncológicas. Os medicamentos são administrados por via intravenosa, normalmente a cada 3-4 semanas. Eles podem ser usados ​​em conjunto com o protocolo de medicações para o controle de dor. Seu uso reduzirá a dor óssea, diminuirá a destruição óssea e provavelmente diminuirá o risco de fratura patológica. Os bisfosfonatos mais comuns são o pamidronato, zoledronato e alendronato.


3) Radioterapia: A radioterapia, fornecida por um acelerador linear, pode ser usada para tratar dores ósseas relacionadas ao câncer. Dependendo do protocolo, 1-4 doses ('frações') podem ser administradas, em conjunto com cuidados paliativos e bisfosfonatos. A radiação atinge apenas o tumor no osso e não aborda a propagação distante.


4) Amputação: A amputação é bem tolerada na maioria dos cães, mesmo quando nos membros torácicos das raças gigantes. Ao tomar a decisão de retirar o membro, outros fatores, como doenças ortopédicas e neurológicas concomitantes, precisam ser considerados. A remoção do membro afetado é um procedimento cirúrgico comum realizado para remover o tumor primário e é a maneira mais rápida, confiável e previsível de eliminar a dor óssea, minimizar as complicações do tumor ósseo e prevenir o desenvolvimento de uma fratura patológica.


5) Quimioterapia: O objetivo número 1 do tratamento do osteossarcoma é o alívio da dor óssea e o restabelecimento de uma boa qualidade de vida. O segundo objetivo é a longevidade - é sabido que a quimioterapia prolonga a vida de cães que sofrem de osteossarcoma de ossos longos. É normalmente utilizada uma injeção intravenosa de medicamento quimioterápico a cada três semanas, na maioria das vezes um medicamento chamado carboplatina. Os cães não apresentam os mesmos efeitos colaterais que as pessoas, embora ocasionalmente vejamos inapetência transitória, náusea, letargia e fezes moles. Geralmente, esses sinais duram apenas um ou dois dias após os tratamentos.


6) Imunoterapia: O uso de lipossomo muramil tripeptídeo fosfatidil-etanolamina vem sendo estudado, um imunoterápico que aumenta as propriedades tumoricidas de macrófagos alveolares e é tóxico para células de osteossarcoma in vitro.


Tratamento do osteossarcoma axial


O tratamento para osteossarcoma axial geralmente depende da localização do tumor. Algumas das mesmas opções existem acima para o osteossarcoma axial, por exemplo, controle de dor, bisfosfonatos, radiação e cirurgia. A cirurgia para osteossarcoma axial pode envolver a remoção da costela afetada, ou parte da mandíbula, ou mesmo parte da pelve.


Prognóstico


Apesar de todos os nossos esforços, os cães com osteossarcoma apendicular (ossos longos) quase certamente serão perdidos para a doença, seja do tumor primário (o osso) que causa dor incontrolável, ou dos tumores secundários (as metástases) que afetam a qualidade de vida do cão. O local mais comum de disseminação são os pulmões, e a doença avançada aqui causa mais comumente perda de peso e fraqueza (caquexia).


Os seguintes fatores podem influenciar o prognóstico: presença de disseminação do tumor para os pulmões no diagnóstico, quão agressivo o tumor é determinado pela histopatologia, elevações específicas nos parâmetros sanguíneos, disseminação da doença para os linfonodos regionais, se a quimioterapia é administrada ou não, qual osso é afetado, o peso do paciente, e a idade do paciente.


Tempos de sobrevivência médios foram relatados para as seguintes terapias. É importante perceber que esses números são médias - metade dos pacientes se sairá melhor do que esses números, mas a outra metade, infelizmente, se sairá pior.

  1. Amputação e quimioterapia - 10 a 12 meses

  2. Radiação e quimioterapia - 8 a 10 meses

  3. Amputação sozinha - 4 a 5 meses

  4. Cuidados paliativos - 1 a 3 meses

O resultado do osteossarcoma pode ser melhorado se o diagnóstico e o tratamento precoce for realizado. Um dos objetivos mais importantes do tratamento é remover a dor do animal de estimação e garantir que sua qualidade de vida seja a melhor possível.


Referências bibliográficas


Cavalcanti, Josemara & Amstalden, Eliane & Guerra, Jose & Magna, Luís. (2004). Osteosarcoma in dogs: clinical-morphological study and prognostic correlation. Brazilian Journal of Veterinary Research and Animal Science. 41. 10.1590/S1413-95962004000500002.


POOL, R. R. Tumors of bone and cartilage. In: MOULTON, J. E. Tumors in domestic animals.


HAMMER, A. S.; WEEREN, F. R.; WEISBRODE, S. E.; PADGETT, S. L. Prognostic factors in dogs with osteosarcomas of the flat or irregular bones. Journal of the American Animal Hospital Association, v. 31, n. 12, p. 321–326, 1995.