Buscar

Mordidas em cachorros e gatos

Atualizado: 1 de dez. de 2021

Feridas por mordedura em cães e gatos

Etiologia (causa)


Um dos motivos mais comuns pelos quais os tutores cães e gatos procuram o médico veterinário para consultas de emergência é o ferimento causado por uma mordida.


A mordida pode ter sido causada por outro cão da família ou por uma briga com um animal estranho ou desconhecido.


Em filhotes, morder costuma fazer parte de uma brincadeira mais agressiva. Em cães adultos, morder ou demonstrar outros comportamentos agressivos pode ter vários motivos ou causas.


Comportamentos agressivos como rosnar ou morder são usados ​​como meio de comunicação para resolver questões competitivas ou de ameaças.


A competição pode ser por comida, território, atenção de um dono, posição em uma matilha ou grupo, ou como uma reação protetora em relação a outro cão.


Riscos


As mordidas de cães podem causar lesões significativas na pele e nos tecidos moles. Os dentes e a mandíbula do cão é são muito fortes e os ferimentos que eles infligem podem esmagar ou rasgar músculos e a pele, além de penetrar na parede torácica causando colapso pulmonar ou outros danos graves fatais, como por exemplo, aos órgãos intestinais.


Mesmo caso uma mordida não rompa a pele, essa poderá causar danos ou hematomas nos tecidos moles adjacentes.


As mordidas são comumente infligidas nos membros ou ao redor da cabeça e pescoço. Estruturas vitais do pescoço podem ser facilmente lesadas incluem os principais vasos sanguíneos, nervos, o esôfago (tubo que conecta a garganta ao estômago) e a traquéia.


Enquanto isso, feridas no rosto podem causar danos graves aos olhos, ouvidos ou boca. No caso de feridas provocadas por mordeduras nos membros, existe o risco da lesão envolver as articulações.


Como a boca do cão está cheia de bactérias, qualquer mordida que perfure a pele irá introduzir bactérias ou outros organismos infecciosos abaixo da superfície da pele, onde as bactérias podem se multiplicar e se espalhar pelos tecidos.


Portanto, todas as feridas causadas por mordidas são consideradas contaminadas e/ou infectadas. Se não for tratada, a bactéria em uma ferida infectada causará um abcesso localizado ou celulite mais generalizada que se espalhará pela área.


Em casos raros, uma ferida de mordida penetrante pode causar artrite séptica (infecção da articulação), osteomielite (infecção do osso), piotórax (pus na cavidade torácica) ou peritonite séptica (pus na cavidade abdominal).


Sinais clínicos (sintomas)


Existem alguns sinais que requerem tratamento de emergência imediato. Estes incluem sangramento incontrolável, dificuldade para respirar, fraqueza, claudicação, gengivas pálidas ou azuladas.

Tratamento


O médico veterinário de emergência determinará que tipo de tratamento necessário, com base na extensão das lesões, na saúde geral do cão e na localização das feridas.


O objetivo do tratamento é reduzir a gravidade de qualquer infecção que se desenvolva. Isso será realizado limpando as feridas, removendo qualquer tecido sem vida na ferida ou gravemente danificado e, potencialmente, fechando as feridas cirurgicamente, se possível.

Os antibióticos podem ser prescritos para feridas onde houve penetração na pele, dependendo da localização da ferida e da duração entre o momento da mordida e a ida ao veterinário.


Para ferimentos leves ou para ferimentos que deverão ser deixados abertos para cicatrizar, o médico veterinário poderá prescrever um antibiótico tópico. Se houver qualquer dúvida sobre a penetração na pele, um antibiótico de amplo espectro poderá ser administrado para diminuir a chance do desenvolvimento de uma infecção grave.


Quanto mais cedo os antibióticos forem iniciados após uma mordida, mais rápido a infecção será controlada. As feridas tratadas dentro de 6 horas após a lesão tem a melhor chance de cicatrização sem complicações. A maioria dos ferimentos é dolorosa e o ideal para o seu animal é receber algum tipo de analgésico, um sedativo ou anestésico antes de tentar avaliar a extensão dos ferimentos. O pêlo será raspado na região que circunda as feridas (será feita uma tricotomia) para diminuir o potencial de contaminação adicional e irá limpar as feridas para remover quaisquer contaminantes. Para feridas extensas, feridas gravemente contaminadas ou feridas em áreas sensíveis do corpo (como perto dos olhos, boca ou orelhas), será necessário colocar o cão sob anestesia geral para que a área possa ser limpa e completamente limpa e tratado. Medicamentos adicionais para a dor serão enviados para casa, mais tipicamente antiinflamatórios não esteroidais (AINEs). Pequenas feridas de mordedura geralmente ficam abertas para que qualquer infecção possa ser drenada. As lacerações serão suturadas e drenos temporários podem ser colocados se o dano for extenso ou se houver uma chance de acúmulo de líquido na área. A maioria das lacerações será desbridada (qualquer tecido da pele infectada ou comprometido será removida, assim como e as bordas da laceração).


Em muitos casos, as feridas na pele podem ser ampliadas para permitir que os tecidos sejam examinados e limpos minuciosamente. É recomendado a realização de cultura e antibiograma para determinar o tipo de bactéria envolvida e os melhores antibióticos para tratá-la. No entanto, leva alguns dias para que os resultados do teste estejam prontos, então é possível que seu animal receba inicialmente um antibiótico de amplo espectro.


Lesões mais graves também poderão ocorrer, principalmente relacionadas ao olhos, mandíbula ou até mesmo fraturas. Nesses casos, uma enucleação (remoção do globo ocular), poderá ser indicada por um cirurgião veterinário, assim como uma osteossíntese (correção de fratura) poderá ser indicada por um veterinário especializado em ortopedia.

Referências bibliográficas


Lakestani, Nelly. (2007). A Study of Dog Bites and their Prevention.


Ozanne-Smith, Joan & Ashby, Karen & Stathakis, Voula. (2002). Dog Bite and Injury Prevention: Analysis, Critical Review, and Research Agenda. Injury prevention : journal of the International Society for Child and Adolescent Injury Prevention. 7. 321-6. 10.1136/ip.7.4.321.

Sobre o autor

Felipe Garofallo é médico veterinário (CRMV/SP 39.972) e atua na área de ortopedia e cirurgia de cães e gatos em São Paulo e cidades da região. Realiza consultas em domicílio para tutores e serviço terceirizado para clínicas e hospitais veterinários. Você pode agendar uma consulta pelo whatsapp (11)91152-4321.

166 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo