Buscar

Convulsão em cães e gatos: definição, causas e tratamento

Atualizado: 1 de dez. de 2021

Epilepsia em cães e gatos


Definição


A convulsão é a manifestação física da atividade elétrica descontrolada no cérebro, sendo o problema neurológico mais comum em caninos e felinos. Elas podem ser muito angustiantes e causar ansiedade para o tutor e perda na qualidade de vida do paciente.


Tipos


Diferentes tipos de convulsão podem ocorrer em animais; mas comumente convulsões 'generalizadas' são vistas. Essas causam perda de consciência, movimentos repetitivos involuntários, micção, salivação e defecação.


Convulsões menores ou "parciais" envolvem áreas mais focais do cérebro e podem aparecer como espasmos / tremores musculares, sensações anormais ou mesmo alucinações.


Etiologia (causa)


As convulsões podem ocorrer devido a uma causa identificável; como intoxicação, doença renal, doença hepática, malformações cerebrais, tumores ou inflamação (a chamada epilepsia “sintomática”). Quando uma causa subjacente não pode ser identificada, a epilepsia primária ou idiopática é o diagnóstico presumido.


Na maioria dos casos, presumimos que isso esteja relacionado a uma predisposição genética subjacente, mas vários genes e fatores ambientais estão envolvidos no desenvolvimento da epilepsia.


Diagnóstico


Infelizmente, nenhum teste pode dizer se seu animal tem epilepsia primária. É o que chamamos de "diagnóstico de exclusão", pois vários testes são necessários para excluir todas as outras causas de convulsões.


Normalmente, uma investigação diagnóstica é dividida em duas partes; em primeiro lugar, para investigar e excluir doenças em que as crises são causadas por um problema fora do cérebro; em segundo lugar, para investigar e excluir aquelas dentro do próprio cérebro.


O mais provável é que seu animal de estimação inicie a pesquisa por exames de sangue e de urina como parte do processo de diagnóstico. Imagens cerebrais avançadas por meio de imagens de ressonância magnética (RM) do cérebro também podem ser realizadas, seguida por análise do líquido cefalorraquidiano para excluir anormalidades estruturais (como inflamação ou tumores) como causa de sinais clínicos.


A epilepsia primária é mais provável em animais jovens (1-6 anos de idade) que são neurologicamente normais (comportamento normal, marcha normal, etc.) entre as crises.


A epilepsia primária tem uma causa genética e ambiental complexa. Sabe-se que várias raças de cães apresentam maior risco "familiar" de epilepsia, o mesmo ocorre para gatos. A maioria das epilepsias é "poligênica", envolvendo mutações em muitos genes. Isso significa que, ao contrário das doenças genéticas herdadas recessivamente, a reprodução para prevenir a epilepsia é muito difícil e a epilepsia primária pode ser diagnosticada em qualquer animal individual de qualquer raça, apesar de várias gerações e ninhadas normais.


Tratamento


É possível que a maioria dos animais epilépticos tenha uma excelente qualidade de vida. No entanto, a epilepsia é uma doença crônica e ocasionalmente progressiva que precisa ser controlada.


Raramente, um animal pode ter uma única convulsão e não ter convulsão novamente. Espera-se que um animal com mais de uma convulsão tenha convulsões mais frequentes ou graves no futuro. Há evidências que sugerem que o tratamento precoce no curso da epilepsia pode fornecer um melhor resultado em longo prazo.


Apesar do tratamento, os epiléticos ainda podem sofrer convulsões intermitentes. A remissão completa pode ocorrer com o tratamento, mas o objetivo na maioria dos pacientes é reduzir a frequência das crises em pelo menos 50% em um período de quatro semanas. A gravidade das convulsões também deve ser reduzida.


Cerca de 25-33% dos cães com epilepsia precisam de mais de um medicamento para controlar suas convulsões. O mesmo ocorre para os gatos. Recomenda-se o tratamento da epilepsia quando ocorrem mais de duas crises em um período de seis meses.


Existem muitos medicamentos diferentes disponíveis para o tratamento da epilepsia. Lembrando que, o veterinário pós-graduado em neurologia é o profissional ideal para determinar o tratamento adequado para seu cão ou gato.


Dois medicamentos são os mais utilizados na rotina para o tratamento da epilepsia primária em cães; o fenobarbital e o brometo de potássio. Para gatos, o tratamento com fenobarbital é o mais comum.


Como a maioria dos medicamentos, eles podem causar efeitos colaterais no tratamento. Esses efeitos colaterais são geralmente piores nas primeiras semanas e sua gravidade pode diminuir com o tempo.


Os efeitos colaterais dose-dependentes comuns incluem aumento da sede e da fome (conseqüentemente micção e ganho de peso), letargia, respiração ofegante, hiperexcitabilidade e possivelmente instabilidade.


Como ajudar


É muito importante manter um diário de convulsões para seu animal de estimação. O diário deve incluir a data, o número, a duração, o aparecimento e a gravidade da(s) convulsão(s), se notou alguma causa prévia óbvia, ou se comportamento anormal foi observado no período após uma convulsão (período pós-ictal). Compartilhar esses diários com o veterinário neurologista o ajudará a avaliar se o tratamento está atingindo seus objetivos.


Como agir durante a convulsão


Mova todos os objetos ao redor dele onde ele possa se machucar, por exemplo, móveis.


Desligue as luzes, música e televisão para reduzir o estímulo ambiental.


Comece a monitorar e registrar a duração e a gravidade da convulsão.


Nunca fique tentado a colocar as mãos dentro ou ao redor da boca do seu animal de estimação. Os animais podem morder durante ou após uma convulsão, pois podem não reconhecê-lo.

Se o seu neurologista ou veterinário de cuidados primários prescreveu diazepam retal, ele pode ser administrado conforme as instruções, se for seguro fazê-lo.


Quando procurar o vet


Seu animal de estimação está em convulsão ativa por mais de dois minutos, apresentar duas convulsões em um período de 24 horas ou se estiver apresentando contrações/ tremores recorrentes.


Prognóstico


O prognóstico da epilepsia é geralmente bom, embora dependa do número de convulsões que um animal sofre.


Visitas ocasionais veterinário podem ser necessárias durante o curso do tratamento. Alguns medicamentos são metabolizados pelo fígado, e o metabolismo pode aumentar com o tempo, o que significa que doses mais altas do medicamento podem ser necessárias para manter a mesma concentração do medicamento no sangue.


Seu veterinário pode sugerir exames de sangue a cada poucos meses para avaliar a concentração dos medicamentos no sangue ou para avaliar a função do fígado.


A frequência com que isso é necessário dependerá da resposta do paciente ao tratamento.


Referências bibliográficas


Rusbridge, Clare. (2014). Canine idiopathic epilepsy. In Practice. 36. 17-23. 10.1136/inp.g5126.


Chandler, Kate. (2006). Canine epilepsy: What can we learn from human seizure disorders?. Veterinary journal (London, England : 1997). 172. 207-17. 10.1016/j.tvjl.2005.07.001.


Sobre o autor

Felipe Garofallo é médico veterinário (CRMV/SP 39.972) e atua na área de ortopedia e cirurgia de cães e gatos em São Paulo e cidades da região. Realiza consultas em domicílio para tutores e serviço terceirizado para clínicas e hospitais veterinários. Você pode agendar uma consulta pelo whatsapp (11)91152-4321.

102 visualizações0 comentário