Artrose em Cães e Gatos: Há Alternativas Para a Cirurgia?

Atualizado: Mai 19



A osteoartrose, também conhecida como doença articular degenerativa, é uma doença crônica, muito dolorosa, degenerativa e inflamatória que afeta as articulações sinoviais e acaba causando perda de mobilidade. É muito comum em cães mais velhos e ainda não há cura definitiva.


Pode originar-se de instabilidade, inflamação crônica, incongruência na articulação. No cão, muitas vezes se origina de desgastes mecânicos de diferentes causas. Em seguida, começa uma ruptura física da superfície da cartilagem, que por sua vez causará o início de alterações bioquímicas que afetarão toda a articulação, degradando os tecidos articulares.


O tratamento pode ser feito por meio de cirurgia veterinária, mas existem outras alternativas.


A abordagem terapêutica terá como objetivo melhorar a qualidade de vida do cão, eliminando ou reduzindo a dor e a inflamação, conforme o ganho de mobilidade. Tendo em conta que a doença é degenerativa e progressiva, é aconselhável iniciar o tratamento o mais cedo possível.


O tratamento não cirúrgico deve ser a primeira escolha, pois em muitos casos é bem sucedido.


Qualquer tratamento deve ser abordado na perspectiva integral dos componentes da articulação: cartilagem, osso e cápsula sinovial.


O primeiro ponto é o uso de anti-inflamatórios não esteróides (AINEs) para reduzir a inflamação e para o alívio da dor sintomática. Estes irão inibir a via inflamatória da cicloxigenase (COX I e COX II), e os inibidores seletivos da COX II. O alívio da dor deve ser feito também com analgésicos.


O segundo passo é a restrição da ingestão alimentar para diminuir o início e a progressão da artrose. Em cães com excesso de peso, a redução de peso como único tratamento demonstrou aliviar a dor e melhorar a função dos membros com dor nas articulações.


Nestes pacientes, caminhadas diárias com guia são recomendadas. Exercícios leves e de curta duração (natação, caminhadas) são ideais para promover a saúde física e o controle do peso do cão. Como consequência de tudo isso, os membros vão suportar uma carga menor, facilitando a mobilidade da articulação. Ao mesmo tempo essa terapia contribui para a manutenção do peso corporal, reverte a atrofia muscular presente.


Uma boa abordagem nutricional pode ajudar a reduzir a carga de medicamentos no tratamento da artrose, ao reduzir os efeitos adversos que acarretam.


As evidências existentes suportam que a prescrição de dietas com grandes quantidades de ácidos graxos ômega-3 são eficazes nessa doença. São suplementos amplamente utilizados na medicina humana, que também apresentam evidências na medicina veterinária.


O uso de condroprotetores: a combinação de glucosamina e sulfato de condroitina estimula o metabolismo da cartilagem , inibindo sua degradação, reduzindo os sintomas clínicos, tanto em pacientes com OA como em condições pós-cirúrgicas veterinárias.


O ácido hialurônico administrado por via oral é absorvido no intestino e depositado nas articulações. Sua suplementação melhora significativamente a qualidade de vida dos pacientes com sintomas de artrose.


Além disso, a ingestão de vitamina K evita a perda óssea, o risco de fraturas e a incidência de osteoartrite por meio do aumento da mineralização óssea, formação de osso/cartilagem e inibição da calcificação da cartilagem.


Portanto, com a dieta, é possível combinar nutrientes que visam modificar as diferentes estruturas articulares (osso, cartilagem, o líquido sinovial), que são afetados pela artrose e modificar suas vias bioquímicas patológicas (anti-inflamatórias e antioxidantes) para ajudar a retardar a progressão da doença e aliviar o quadro clínico. Esse tratamento, em combinação com a redução de peso e a fisioterapia veterinária (para alívio da dor e fortalecimento muscular), tem apresentado bons resultados no tratamento não cirúrgico de pacientes com a doença articular degenerativa (artrose).


Referências


1. Clark, Stephanie. (2015). Canine Osteoarthritis and Treatments: A Review. Veterinary Science Development. 5. 10.4081/vsd.2015.5931.


2. Pettitt, Rob & German, Alexander. (2015). Investigation and management of canine osteoarthritis. In Practice. 37. 1-8. 10.1136/inp.h5763.